domingo, 24 de agosto de 2008

O mapa da volatilidade: para desvendar o conceito e apontar as campeãs da Bolsa

Por: Roberto Altenhofen Pires Pereira
22/08/08 - 20h35
InfoMoney


SÃO PAULO - O termo volatilidade virou rotina para quem acompanha diariamente a Bolsa brasileira. Uma brusca queda é rebatida por um movimento forte de recuperação, e por aí vai. Grandes oscilações em um curto intervalo de tempo não surpreendem mais.

No entanto, o conceito em si traz algumas ressalvas. Como definir volatilidade? A partir de quais variações uma ação pode ser considerada volátil? A resposta pode vir de diversas ferramentas, mas, grosso modo, volatilidade remete à afirmação anterior: um índice ou ativo sujeito a movimentos abruptos em breve intervalo de tempo. Para cima ou para baixo.

Na grande maioria das vezes, no entanto, volatilidade acompanha imprevisibilidade. Fica difícil apontar a tendência de tal papel no longo prazo entre uma rotina marcada por tantos altos e baixos. A partir daí que a volatilidade assume relação estreita com o risco da aplicação.

Mas tudo na Bolsa depende da estratégia de cada um. Às vezes, risco pode ser sinônimo de atratividade, pois relaciona maior potencial de ganhos. O investidor mais arrojado pode utilizar alguns indicadores para definir qual o melhor alvo para operações de day trade, por exemplo. Por outro lado, o mais conservador quer limitar a chance de perdas.

Como medir a volatilidade
Formalmente, volatilidade indica o grau médio de variação da cotação de um título ou determinado índice de subir ou cair intensamente em um curto período de tempo. Quando se afirma que uma aplicação é extremamente volátil, entende-se que esta aplicação está sujeita a fortes oscilações.

Pode-se medir a volatilidade de algum ativo de várias maneiras. Os indicadores estatísticos mais utilizados são Desvio Padrão, Variância ou o Beta. O desvio padrão indica a dispersão estatística da informação, ou seja, demonstra quanto o valor pode variar para mais ou para menos. É calculado a partir da raiz quadrada da variância.

Então, a variância mostra o quão longe em geral os valores de alguma variável se encontram do valor esperado. É o desvio em relação à média da própria variável, ou a famosa "média do quadrado dos desvios". Fugindo um pouco do marasmo da estatística pura, ambos dão idéia de dispersão.

O Beta
Na linguagem dos mercados, um indicador muito utilizado é o Beta. Relaciona basicamente o grau do retorno relativo de uma ação em relação ao retorno do mercado.

O beta do mercado é igual a 1 e todos os outros betas são calculados em relação a esse valor. Beta positivo sugere que a ação se move na mesma direção do mercado, enquanto beta negativo sugere um movimento em direção oposta. O cálculo é simples: covariância dos retornos do ativo em questão em relação aos retornos do benchmark.

O mapa da volatilidade
Com os conceitos em mãos, vale uma breve avaliação do mercado brasileiro. Voltando à estratégia de cada um, uma análise da volatilidade de cada ativo pode ajudar o investidor conservador a fugir das ações, neste sentido, mais "arriscadas"; como ajudar quem busca um bom papel para day-trade.

Veja também:
Atitude 

Um comentário:

Anônimo disse...

Hello everyone!
I would like to burn a theme at this forum. There is such a thing, called HYIP, or High Yield Investment Program. It reminds of ponzy-like structure, but in rare cases one may happen to meet a company that really pays up to 2% daily not on invested money, but from real profits.

For quite a long time, I earn money with the help of these programs.
I don't have problems with money now, but there are heights that must be conquered . I get now up to 2G a day , and my first investment was 500 dollars only.
Right now, I managed to catch a guaranteed variant to make a sharp rise . Turn to my web site to get additional info.

http://theinvestblog.com [url=http://theinvestblog.com]Online Investment Blog[/url]